Sunew apresenta solução sustentável para transformar o setor de energia e o dia a dia das pessoas.

Gerar energia limpa é o grande desafio atual da humanidade para enfrentar as mudanças climáticas. E a geração solar tem sido a fonte mais promissora. No entanto, os painéis solares nem se popularizaram ainda e já começam a parecer passado, quando filmes aplicados na fachada dos edifícios passam a desempenhar a mesma função.

Os filmes fotovoltaicos orgânicos, chamados de OPV (Organic Photovoltaic), são a terceira geração de células solares e o principal produto da empresa mineira Sunew. Em vez de usar o silício, ela trabalha com moléculas condutoras de energia em solução líquida, ou seja, um tipo de tinta, que pode ser aplicada em filmes plásticos. Segundo o fabricante, essa alternativa é 40 vezes mais leve que os rígidos painéis fotovoltaicos, permite diferentes graus de transparência e cor, além de ser 100% flexível para se moldar às mais diferentes estruturas, como tetos de carros às coberturas de pontos de ônibus.

Em São Paulo, os filmes aplicados na fachada da sede da empresa TOTVS alimentarão com energia limpa 65 estações de trabalho do prédio, além de reduzir a carga térmica em 75%, poupando também o gasto com ar-condicionado e evitando a emissão de 578 toneladas de Co2 por ano. 

Por sua inovação, única em toda América Latina, a startup Sunew foi uma das três finalistas na categoria “Urban Energy Transition” do prêmio alemão “Startup Energy Trasition”, que ocorreu em março desse ano. A competição reuniu mais de 500 startups de 66 países. Inaugurada em novembro de 2015 com aporte de 100 milhões, a empresa com sede em Belo Horizonte planeja faturar esse ano quatro vezes mais que em 2016.

Fonte: https://www.yumpu.com/pt/embed/view/liwtEoK5aj6CQmSL (página 39)